A antiga viga de madeira Canela utilizada no banco foi descartada na rua Luís Gama, no bairro do Cambuci, em São Paulo. Assim que coletei pensei em fazer um banco, mantendo suas características, mas tratando as partes apodrecidas. Ficou aproximadamente 2 anos na oficina até começar seu tratamento e consolidar a ideia.


Como o conceito do trabalho estava em ressignificar esta antiga viga, comecei a pensar na sua idade, de que casa era, das histórias que viveu. Quanto tempo? Tempo para observar, contemplar e renascer. Logo conectei o pensamento na natureza e começou-se a montar o
quebra cabeça.


O banco vai protagonizar o renascimento, as flores, o sol e a contemplação. Assim criei as luminárias nascendo desta viga e iluminando como o sol, num campo de Girassóis.


Um banco iluminado e cheio de história para contar e viver. Uma luminária para sentar e
contemplar.


As luminárias tem luzes coloridas numa cartela de alaranjados em diversas madeiras.

Medidas: 250 x 50 x 160 cm aproximadamente (alt x comp x larg)

Materiais:

Madeira Canela na viga e apoio 

Muirapiranga, Amapá, Freijó e Imbuia nos copos de luz

Latão polido e vidro fosco com gelatina.

Cabo revestido em algodão

Lâmpada LED bivolt - 2,5w branco quente

Acabamento:
óleo de tungue e latão polido

Ano:
2018


Projeto e execução: Danilo Costillas Atui